Banner 1


Mesmo após a orientação da Associação Médica Brasileira de que o uso de remédios sem eficácia contra Covid-19 deve ser banido, a Prefeitura de Natal mantém a distribuição da ivermectina para pacientes.

A distribuição do remédio acontece nos Centros Covid criados pela prefeitura para atender pacientes com sintomas na doença. A Secretaria Municipal de Saúde confirmou que o protocolo de tratamento da Covid-19 inclui mais de 10 medicamentos que podem ser ou não receitados pelo médico. Dentre eles, está a ivermectina.

Quando o medicamento é receitado em uma das unidades de atendimento do município ele é fornecido de forma gratuita para o paciente.

Em nota, a Prefeitura de Natal informou que adotou um protocolo aprovado pelo CRM RN que prevê uma série de ações de acordo com as fases da doença. "Os medicamentos só são dispensados com receita médica. O ato médico é soberano. Não há qualquer interferência da administração na decisão médica sobre o tratamento a ser adotado", diz a nota.

Investigação

O Ministério Público Estadual abriu investigação sobre a distribuição do medicamento sem eficácia contra a Covid-19, após o recebimento de pelo menos três denúncias sobre tal prática.

A deputada federal Natália Bonavides (PT) foi uma das que entrou com representação no MP contra o prefeito Álvaro Dias. Em resposta à representação o MP informou que "com relação ao uso profilático da ivermectina, já há, no âmbito desta CJUD, Notícia de Fato em andamento, a fim de apurar a possível prática dos crimes previstos nos artigos 268 e 280 do Código Penal, pelo Prefeito de Natal/RN, Álvaro Costa Dias, em decorrência da propagação do uso da Ivermectina como meio substitutivo ao uso da vacina para imunização coletiva".

Procurado na sexta (26), O MP informou que as investigações estão em andamento e seguem em segredo de justiça.

Nova compra de ivermectina

O uso da ivermectina é defendido pelo prefeito da capital, Álvaro Dias (PSDB) - que é médico, desde o ano passado. Em junho, a Secretaria Municipal de Saúde de Natal passou a fornecer a Ivermectina, um antiparasitário, para profissionais da saúde, como medida de “prevenção” à Covid-19.

No mesmo dia o prefeito anunciou o primeiro Centro de Profilaxia e Tratamento do Coronavírus para distribuição de medicamentos. À época o prefeito chegou a dizer que a ivermectina estaria disponível "em grande quantidade".

Em fevereiro deste ano, a farmacêutica Merck, responsável pela fabricação da ivermectina, disse que dados disponíveis não apontam eficácia contra a Covid-19. Dias depois, Álvaro Dias voltou a recomendar o uso do medicamento sem eficácia comprovada contra Covid.

No Diário Oficial de quarta (24), a Prefeitura publicou uma "Coleta de Preços Emergencial" para "aquisição de ivermectina 6mg para atender as necessidades da Secretaria Municipal de Saúde". A publicação indica que a prefeitura deve continuar distribuindo o medicamento que não tem eficácia contra a Covid para a população.

G1/RN



Postar Comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem