Banner 1

 


Pesquisadores e cientistas têm manifestado preocupação com a nova variante do coronavírus que, segundo análises feitas pela Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz), teve origem no Amazonas. Ela foi identificada por autoridades de saúde japonesas em 4 viajantes que estiveram no Estado brasileiro no início do mês.

A mutação, que criou uma linhagem brasileira do Sars-Cov-2, causador da covid-19, é a “explicação mais plausível para um crescimento tão explosivo” de casos e mortes por covid-19 no Estado.

A afirmação é do epidemiologista Jesem Orellana, pesquisador da Fiocruz na Amazônia, publicada em entrevista ao jornal O Estado de São Paulo nesta 6ª feira (15.jan.2021).

O total de casos confirmados de covid-19 no Amazonas é de 223.360, segundo dados do boletim divulgado pela FVS (Fundação de Vigilância em Saúde). O número de mortes é de 5.930.

De acordo com Orellana, apesar de “todo esse contexto de relaxamento da população em relação aos cuidados, a nova cepa é a explicação mais plausível para um crescimento tão explosivo considerando o histórico de Manaus”.

“Esse tipo de crescimento tão explosivo a gente normalmente aceita quando toda a população é considerada suscetível ao novo vírus”, afirmou.

O epidemiologista afirmou que, como de 30% a 40% da população manauara já havia sido exposta ao vírus, a disseminação indica que há uma nova cepa circulando na região.

“Essa disseminação que estamos vendo num contexto em que pelo menos 30% a 40% da população já tinha sido exposta ao coronavírus só pode ser porque essa nova cepa se programa muito mais rapidamente que todas as 11 variantes que circularam antes na região”, declarou.

Orellana disse que a Fiocruz ainda não concluiu se a variação brasileira do coronavírus é mais contagiosa.

“Ainda estamos investigando se de fato ela é mais contagiosa, mas as mutações que observamos são muito parecidas com as vistas no Reino Unido e na África do Sul em novas cepas que também mostraram mais fáceis de serem transmitidas”, disse.

Segundo ele, o principal impacto negativo da crise no Amazonas é que a nova cepa pode se espalhar rapidamente para outros Estados.

“A pior consequência – além das centenas de mortes que aconteceram nos últimos seis dias e as milhares que ainda devem acontecer nos próximos – é a possibilidade de disseminar essa nova cepa Brasil afora porque estamos mandando dezenas de pacientes daqui para outros Estados. Em outras palavras, estamos mandando o vírus para outros Estados. Isso ninguém está falando ainda, mas vamos ver a bomba estourar daqui uns 15 dias”, afirmou o pesquisador.

A transferência de pacientes para o sistema hospitalar de outros Estados foi confirmada pelo governador amazonense, Wilson Lima (PSC) nessa 5ª feira (14.jan).

Goiás, Piauí, Maranhão, Paraíba, Rio Grande do Norte e Distrito Federal devem receber amazonenses infectados com a covid-19 nas próximas semanas.

“Vamos montar um grupo de apoio aos pacientes e familiares que vão a outros Estados e quero agradecer a esses governadores que, em um gesto humanitário, estenderam as mãos aos nossos irmãos para que possam ser acolhidos”, disse o governador.

Poder 360


Postar Comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem