Banner 1


A rejeição ao governo de Jair Bolsonaro cresceu no último mês e atingiu 40%, mas a maioria dos brasileiros é contra a abertura de um processo de impeachment contra o presidente. É o que revela pesquisa do Instituto Datafolha, divulgada ontem. O fim do auxílio emergencial, que deixou de ser pago em dezembro; a aplicação da CoronaVac, que o presidente chegou a ironizar; e o aumento da crise pela pandemia ajudam a explicar a piora no desempenho do presidente, segundo analistas.

De acordo com o levantamento, quatro em cada dez brasileiros consideram a gestão de Bolsonaro ruim ou péssima. Em dezembro, o percentual era de 32%.A avaliação positiva (ótimo ou bom), por outro lado, caiu de 37%, em dezembro, para 31%. O percentual de pessoas que consideram o governo regular oscilou de 29% para 26%. Segundo o Datafolha, foram ouvidas, por telefone, 2.030 pessoas em todo o país entre 20 e 21 deste mês. A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos.

Apesar do aumento na rejeição a Bolsonaro, 53% dos entrevistados disseram que a Câmara dos Deputados não deveria abrir um processo por crime de responsabilidade contra o presidente. Em dezembro, este número era de 50%. Os defensores do impeachment, que eram 46% em dezembro, agora são 42%. Outros 4% dos entrevistados não responderam à pergunta ou disseram que não sabem.

Entre os que se opõem ao impeachment do presidente a maioria mora no Centro-Oeste (60%) e no Sul (58%), é formada por homens (62%), com idade entre 35 e 44 anos (59%) e evangélico (64%).

Esta é a primeira pesquisa divulgada pelo Datafolha após o início da vacinação contra a Covid-19, cuja largada foi dada no último domingo pelo governador de São Paulo, João Doria (PSDB), que impôs uma derrota política a seu adversário. Nos últimos meses, Bolsonaro chegou a dizer que não compraria doses da CoronaVac, vacina desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac, em parceria com o Instituto Butantan, do governo paulista. Assim que o uso do antígeno foi autorizado, no domingo, Doria deu início à imunização. Bolsonaro e seus aliados passaram, então, a dizer que a vacina “é do Brasil”.

O Globo




Postar Comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem