Banner 1


Após pelo menos dez universidades federais afirmarem que não iriam retornar às aulas presenciais no dia 4 de janeiro, o Ministério da Educação decidiu revogar a portaria publicada na quarta-feira (2) que definiu o retorno das aulas para a primeira semana de 2021.

Leia também:

MEC determina volta às aulas presenciais a partir de janeiro

A portaria gerou resistência por parte de diversas universidades. "A Universidade Federal da Bahia reafirma que não colocará em risco a vida de sua comunidade, nem deixará de cumprir, com autonomia, sua missão própria de ensino, pesquisa e extensão", afirmou a instituição em nota assinada pela reitoria.

O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul (IFRS) disse que recebeu a decisão com surpresa, e que deverá seguir com a suspensão das aulas, se valendo de "critérios técnicos e científicos" para suas decisões institucionais. A UFRJ também afirmou que cumprirá sua missão "com autonomia".

A Universidade de Brasília (UnB) também discordou da decisão, por meio de uma nota de sua reitoria."A Universidade de Brasília reitera que não colocará em risco a saúde de sua comunidade. A prioridade, no momento, é frear o contágio pelo vírus e, assim, salvar vidas", informou a universidade. "A volta de atividades presenciais, quando assim for possível, será feita mediante a análise das evidências científicas, com muito preparo e responsabilidade." Universidades como a Federal de São Paulo (Unifesp), do Rio Grande do Sul (UFRGS) e do Espírito Santo (Ufes) foram na mesma linha.

O Conselho Nacional das Instituições da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica (Conif),foi mais duro: "Tal ato arbitrário demonstra, mais uma vez, o desrespeito ao artigo 207 da Constituição Federal e à Lei de Criação dos Institutos Federais", escreveu. O Conif reúne as instituições de ensino superior, Centros Federais de Educação Tecnológica (Cefets) e o Colégio Pedro II, no Rio de Janeiro.

Alguns dos posicionamentos evitaram o confronto aberto com o poder público: a Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE), com sede em Recife, disse em comunicado que "seu plano de funcionamento vigente, aprovado pelos Conselhos Superiores da Instituição, segue até março de 2021", e que um novo plano de funcionamento das atividades acadêmicas deverá ser abordado até 2021, levando em consideração uma construção coletiva.

Entidades de representação de alunos e professores se mostraram contrárias ao texto. O Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior (Andes) afirmaram em nota que "A portaria reafirma a postura negacionista do governo federal, que durante todo o ano de 2020 trabalhou em favor do vírus e contra a saúde de todo(a)s o(a)s brasileiro(a)s. Um governo que nega a ciência e desarma todos os esforços para mitigar a disseminação do vírus em nossa sociedade”, afirmou a entidade.

A União Nacional dos Estudantes (UNE) também foi às redes sociais registrar contrariedade à medida.

Em entrevista à CNN Brasil, o ministro da Educação disse que não esperava tanta resistência das instituições. "Quero abrir uma consulta pública para ouvir o mundo acadêmico. As escolas não estavam preparadas, faltava planejamento", afirmou. "A sociedade está preocupada, quero ser sensível ao sentimento da população", disse.

Congresso em Foco


Postar Comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem