Banner 1

 

O secretário de Planejamento e Finanças do Rio Grande do Norte, Aldemir Freire, projeta crescimento econômico entre 2,5% e 3,5% para o Estado em 2021. A estimativa é baseada na retomada das atividades nos setores econômicos, que apresentam progresso desde agosto. A chegada de uma vacina para imunizar a população brasileira contra Covid-19 é outro fator que contribui para o otimismo no cenário.

Apesar disso, o secretário reconhece que a projeção apresentada, caso se confirme, não será suficiente para recompor todos os gastos do Governo do Estado realizados neste ano. Somado a esse fator, o processo de vacinação, acolhido como notícia boa, também demandará novos investimentos, já que caberá aos estados a tarefa de armazenar as vacinas e gerenciar o processo de aplicação dos imunizantes.

O emprego de recursos públicos na área da saúde do RN, destinados especificamente à operação contra o vírus que matou mais de 1,6 milhões de pessoas no mundo, não se repetirá da mesma forma no ano que se aproxima, pois a estruturação de ações de enfrentamento à pandemia do novo coronavírus já foi realizada em 2020, a exemplo da compra de respiradores, disposição de leitos e contratação e treinamento de equipes para atuarem nas unidades de saúde.

Para Freire, 2020 é um ano que “ninguém quer de volta”, especialmente por causa da crise sanitária, que desencadeou agravamentos em todo País e permanecerá até 2021, pelo menos. Contudo, o conhecimento de como responder ao comportamento da doença permite uma expectativa de aumento na geração de emprego e renda, que já foi constatada no RN desde agosto.

“Esperamos que o cenário econômico melhore. Tenho certeza que 2021 será melhor que 2020. A economia vai crescer, o que significa que teremos mais renda, emprego e arrecadação tributária. Isso permitirá uma maior capacidade de investimento do Estado quando comparamos com o ano vigente. Não temos certeza do tamanho desse crescimento. Eu acredito que ele ficará entre 2,5% e 3,5%, ainda insuficiente para recompor todas as perdas deste ano. Mas, sem dúvida nenhuma, não se pode dizer que será um ano pior que este”, projeta.

Agora RN


Postar Comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem