Banner 1

 


O Brasil optou pela cobertura mínima ao aderir ao Covax Facility, aliança mundial de vacinas contra a covid-19. O governo tinha opção de solicitar doses suficientes para vacinar de 10% a 50% da população. O Planalto preferiu ficar com os 10%. A informação é do portal Uol.

A Covax é uma iniciativa da OMS (Organização Mundial da Saúde), da Gavi Alliance e da CEPI (Coalition for Epidemic Preparedeness Innovations).

O objetivo é acelerar o desenvolvimento e a fabricação de vacinas contra a covid-19 a partir da alocação global de recursos. Todos os países que integram o consórcio terão acesso igualitário à imunização. A aliança tem em seu portfólio 9 potenciais vacinas.

“O ministério [da Saúde] optou por assegurar o mínimo de 10%, mas é importante ressaltar que, conforme previsto no contrato de adesão, a pasta pode adquirir mais vacinas junto aos laboratórios que integram a aliança”, disse a Saúde, em nota enviada ao Uol.

Caso o Brasil decida comprar mais doses via Covax, a aliança teria que 1º atender a todos os contratos já firmados.

A adesão do Brasil à aliança foi anunciada em 24 de setembro. O Brasil pagará aproximadamente R$ 2,5 bilhões para participar da iniciativa. Em troca, o país receberá 42,5 milhões de doses de 1 dos imunizantes em desenvolvimento contra a covid-19.

Ao firmar o acordo, o Brasil optou ainda por uma espécie de cláusula de flexibilidade. Assim, o governo pode abrir mão das doses caso seja de um imunizante ainda não aprovado pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) ou de farmacêutica com a qual o país tenha acordo. O Brasil ainda pode argumentar dificuldade de logística para não aceitar a vacina.

Caso escolha não receber as doses, o Brasil perde prioridade na 2ª rodada de distribuição.

O Ministério da Saúde disse que firmou o contrato de adesão “com o intuito de auxiliar no cofinanciamento do desenvolvimento da vacina e ao seu acesso, de modo a mitigar a competitividade e os altos preços na corrida pela vacina por parte dos países mais ricos, assim como os riscos decorrentes do desenvolvimento de uma vacina, devido à participação de mais de 9 laboratórios”.

Segundo a pasta, “foi escolhida a opção de adesão que possibilitasse adquirir a vacina que viesse a ser registrada na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), trazendo maior vantajosidade à população brasileira”.

ACORDOS

O governo federal tem acordo com a AstraZeneca/Oxford. O Brasil terá acesso a 100 milhões de doses do imunizante e a Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) poderá produzir a vacina.

O Ministério da Saúde negocia com a Pfizer a compra de 70 milhões de doses do imunizante desenvolvido em parceria com a BioNTech. Segundo a pasta, “os termos já estão bem avançados e devem ser finalizados ainda no início desta semana com a assinatura do memorando de intenção”.

O presidente Jair Bolsonaro falou na 2ª feira (7.dez) que o governo vai ofertar a vacina contra covid-19 para toda a população “de forma gratuita e não obrigatória”.

A declaração de Bolsonaro foi feita no mesmo dia em que o governo de São Paulo divulgou que a vacinação deve começar em 25 de janeiro no Estado. O governo de João Doria (PSDB) tem parceria com a Sinovac. O acordo prevê o fornecimento de doses prontas da CoronaVac e a transferência de tecnologia para a fabricação da vacina pelo Instituto Butantan.

No fim de outubro, o Ministério da Saúde informou que compraria 46 milhões de doses da CoronaVac. O protocolo foi assinado pelo ministro Eduardo Pazuello. Um dia depois, Bolsonaro decidiu cancelar o acordo.

Poder 360




Postar Comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem