BANNER 1

 


Do Blog do Barreto

Investigação conduzida pelo delegado Aroldo Sales Chaves Junior concluir que o candidato a prefeito de Antonio Martins Antônio Venâncio (PT) mentiu ao dizer que foi vítima de um sequestro no dia 23 de setembro.

O objetivo, segundo o relato da época, era impedi-lo de realizar o registro da candidatura a prefeito de Antônio Martins.

Leia também 

Advogado e pré-candidato a prefeito de Antônio Martins foi sequestrado no RN e libertado no estado do Ceará

Mas as investigações apontaram num sentido contrário. No relatório (que você pode ler mais abaixo) consta que o delegado Aroldo Junior começou a desconfiar de que se tratava de uma mentira no dia 25 de setembro quando Venâncio foi encontrado, ao perceber que o candidato estava asseado, situação incompatível com a de quem alega ter ficado três dias trancado num quarto com uma lata para fazer as necessidades básicas como relatara.

A caminhonete F1000 de Venâncio fora encontrada nas margens da BR 226 na altura de Serrinha dos Pintos. Venâncio saíra de casa em Antônio Martins dizendo que iria registrar a candidatura em Pau dos Ferros. A história na época causou estranheza porque hoje o procedimento pode ser feito de forma on line. Por trás da história está o relato que o candidato ligou para o sobrinho Gildevan Pio de Medeiros alegando estar sentindo uma crise de pânico por estar sendo ameaçado de morte.

O sobrinho, em depoimento, contou que tentou levar o tio para o hospital, mas ele não aceitava.

Venâncio foi levado para a casa de sua irmã, conhecida como “Detinha”, em Milhã (CE). Só no dia 24 as autoridades policiais foram informadas do seu “desaparecimento”.

No dia 25 Venâncio se apresentou à Polícia Militar em Pereiro (CE) contando que fora abordado por três homens num veículo tipo Corolla no dia 23. Ele relata que os sequestradores informaram que liberariam ele no domingo.

Os policiais conseguiram imagens de câmeras de segurança que mostram Venâncio descendo de um veículo tipo Corolla em Pereiro situação que não batia com o depoimento em que ele falava ter sido deixado por um Siena (repare que já é um outro veículo) nas margens da estrada entre a subida da Serra do Pereiro e Ererê (CE). Ao ver sua versão confrontada com as imagens ele chorou e confessou ter mentido. Ele estava na casa da irmã “Detinha” na Zona Rural de Milhã.

João Venâncio foi indiciado por falsa comunicação de crime.

Leia o relatório da Polícia Civil sobre o falso sequestro



Postar Comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem