BANNER 1

 


Uma empresa de Minas Gerais vendeu ao Exército Brasileiro ao menos 2 lotes de insumos importados para a fabricação de cloroquina por 1 valor 167% mais alto do que ela mesma cobrou nos meses anteriores. A informação foi publicada pela CNN na 3ª feira (15.set.2020).

O custo total do aumento no valor dos insumos aos cofres públicos foi de R$ 782,4 mil. Documentos obtidos pela CNN, com base na LAI (Lei de Acesso à Informação), revelaram que o LQFEx (Laboratório Químico e Farmacêutico do Exército) não fez contestação formal sobre o aumento do preço.

O Comando do Exército só cobrou explicações por escrito à empresa depois que a compra tornou-se objeto de investigação pelo TCU (Tribunal de Constas da União).

O Exército já fabrica a cloroquina há anos para tratamento de malária. Em 2020, a produção foi ampliada para atender às demandas de distribuição do Ministério da Saúde de tratamento para a covid-19. O remédio não tem eficácia comprovada contra a doença.

O grupo Sul Minas, dono da empresa que realizou as vendas, afirmou à CNN que houve 1 aumento nos preços do produto na Índia, que teria variado de US$90 em 2019 para US$ 250 em 2020, além do aumento do frete e variação do dólar. Disse ainda que procurou oferecer a melhor proposta ao Exército dentro das condições de mercado.

O grupo afirmou que teve 1 ganho pequeno com a negociação, de cerca de 10% do valor total, e que a responsabilidade pela gestão do dinheiro público é do Exército.

O site Poder360 entrou em contato com as assessorias de imprensa do Ministério da Defesa e do Comando do Exército para pedir esclarecimentos, mas não obteve resposta até o fechamento desta nota.

Poder 360



Postar Comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem