Banner 1

Depois de fracassar em 2018 na tentativa de renovar o seu mandato para a Câmara dos Deputados, Rogério Marinho foi convidado pelo presidente por Jair Bolsonaro para assumir a Secretaria Especial de Previdência Social e do Trabalho, subordinada ao Ministério da Economia. Sua missão inicial foi trabalhar pela reforma previdenciária, aprovada ainda em 2019. A atuação de destaque numa pauta prioritária lhe garantiu prestígio e, posteriormente, uma promoção para o cargo de ministro do Desenvolvimento Regional. No comando da pasta, Marinho ganhou status de articulador político, conselheiro do presidente e até artífice de algumas propostas ousadas na área econômica. Foi dele a sugestão para que o governo, mesmo diante do rombo das contas públicas, liberasse mais recursos para investimentos — estratégia controversa que ajudou a reaquecer a economia, impulsionou a popularidade de Bolsonaro e, de quebra, também as campanhas de políticos aliados. Histórias e personagens do passado, porém, podem atrapalhar a ascensão meteórica do ministro. 

Acusações graves de peculato e enriquecimento ilícito contra Rogério Marinho são destaque na Revista Veja nesta sexta. Clique AQUI par ler a matéria na íntegra.




Postar Comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem