BANNER 1

 


Incêndios que devastaram cerca de 25.000 hectares do Pantanal começaram em 4 fazendas de grande porte em Corumbá (MS). É o que aponta investigação da Polícia Federal.

A suspeita dos agentes federais seria a de que produtores rurais colocaram fogo na vegetação para transformar a área em pastagem.

A partir de imagens de satélite da Nasa (agência espacial americana) e do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), os peritos da PF teriam encontrado vestígios que indicariam a ação humana nas queimadas nas propriedades rurais.

Para confirmar as informações coletadas pelos satélites, em 25 de agosto, uma equipe da PF sobrevoou as regiões das 4 propriedades e fez registros fotográficos.

Aos sobrevoar a área, os policiais descobriram outros focos de queimadas, além dos indicados pelas imagens de satélite, nas fazendas São Miguel e Bonsucesso.

O advogado de Ivanildo Miranda, Newley Amarilla, disse ao G1 que a defesa técnica somente será apresentada quando e se houver denúncia pelo Ministério Público Federal. Falou ainda que Ivanildo já prestou as informações solicitadas pela PF e colabora com as investigações –“que a ele também interessam, pois é uma das vítimas das queimadas”, afirmou.

OPERAÇÃO MATÁÁ

A PF (Polícia Federal) deflagrou, em 14 de setembro, a operação Matáá para investigar as queimadas no Pantanal. Os investigadores encontraram indícios de queimadas deliberadas para criação de área de pasto onde antes era mata nativa.

“As queimadas começaram em fazendas da região, em espaços inóspitos, dentro das fazendas, onde não há nada perto, o que nos faz entender que não pode ser acidente. Teoricamente, alguém foi lá para isso [colocar fogo]“, disse o delegado em entrevista ao Estado de S. Paulo.

FOCOS DE INCÊNDIO DISPARAM

O registro de queimadas feito pelo Inpe no Pantanal em setembro de 2020 é o maior desde 1998, quando começou o levantamento. Foram 6.048 pontos de queimadas registrados no bioma desde o dia 1º de setembro até quarta-feira (23), o dado mais recente. O recorde mensal anterior era de agosto de 2005, quando houve 5.993 focos de incêndio no bioma.

Em comparação a 2019, quando setembro teve 2.887 focos detectados em 30 dias, o mesmo mês de 2020 já apresenta uma alta de 109%. O número de focos neste mês está 211% acima da média histórica do Inpe para setembro, que é de 1.944 pontos de incêndio.

Poder360


Postar Comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem