BANNER 1

 

O Conass (Conselho Nacional de Secretários de Saúde) pediu a pesquisadores que estimassem o total de mortes esperadas em 2020 no Brasil se a pandemia não tivesse ocorrido. Depois, comparou com os registros em cartório até 20 de junho. Foram 74.172 mortes a mais.

Até agora, o Ministério da Saúde identificou 60.507 mortes por covid-19 nesse período. Esses 13.665 registros extras podem incluir óbitos pela doença que ainda não foram (e poderão nunca ser) identificados corretamente.

O levantamento estimou a quantidade de mortes esperada por semana em 2020 usando os registros do SUS de 2015 a 2019. Como os dados de cartórios são historicamente subnotificados em relação ao SUS, foram aplicadas correções estatísticas para possibilitar a comparação das informações. A nota técnica do levantamento pode ser consultada aqui.

AMAZONAS: O DOBRO DE MORTES

O Estado foi o mais afetado. Projeções com base nos dados dos últimos anos indicavam 4.271 mortes para o mesmo período em 2020. Mas foram 8.820 registros. Ou seja, 106% mortes a mais do que o esperado.

Roraima (74%), Maranhão (68%) e Ceará (64%) aparecem em seguida. Leia abaixo os dados nas outras unidades da Federação.

NARRATIVA DISTORCIDA

Nos últimos meses, negacionistas têm compartilhado imagens dizendo que os registros de cartório desmentiriam que a pandemia seja tão grave ou indicariam que ela não existe.

Em geral, nesse tipo de argumento, são usados dados de algum período específico que mostra menos certidões de óbito por síndrome respiratória em relação aos dados informados pelas secretarias de Saúde. E fazem a comparação errada entre os dados registrados em 1 dia pelas secretarias (referentes a mortes ocorridas em várias datas) e as certidões de óbito referentes àquele dia (a data em que a morte realmente aconteceu).

As informações de cartório, de fato, não batem exatamente com as do Ministério da Saúde. Há uma miríade de motivos para isso, que vão de prazos legais diferentes, classificação falha e desorganização (tanto nos cartórios quanto no sistema público de saúde).

As duas fontes de informação são válidas, mas precisam ser usadas com cuidado.

No levantamento do Conass, os pesquisadores fizeram correções estatísticas e descartaram as informações de cartório mais recentes exatamente porque sabem que ainda haverá atualização nesses dados. Mesmo usando os óbitos com datas registradas até 20 de junho, estimam que registros póstumos ainda devem ser acrescentados para as datas finais do estudo.

Poder 360


Postar Comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem