BANNER 1


 O Hospital de Campanha São Luiz (HCSL) alcançou nos últimos dois dias as menores taxas de ocupação de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) para tratamento de pacientes acometidos com o novo coronavírus. A informação constava no Regula RN, plataforma que acompanha em tempo real a situação dos leitos no Rio Grande do Norte.

Até o fechamento desta edição, a unidade que serve de hospital de campanha em Mossoró estava com taxa de ocupação de 55%. A medida registrada na última segunda-feira, 24, foi de 57,5%. Dos 40 leitos operacionais, 18 estavam vagos e somente 22 tinham pacientes até aquele momento.

O hospital também completou três semanas que não registra ocupação total de seus leitos críticos e nem ultrapassa o índice de 90% de sua capacidade. A última vez em que o São Luiz teve mais de 90% de ocupação e 100% dos leitos ocupados foi no dia 2 de agosto.

A maior taxa de ocupação verificada nesse período foi no dia 13. Naquele dia, 35 dos 40 leitos disponibilizados para o tratamento da Covid-19 no hospital estavam ocupados, o que correspondia a 87,5%. Nos demais dias, oscilou na casa entre 70% e menos de 85%.

Entre 15 de maio e 14 de julho o São Luiz operou sempre acima dos 90% de sua capacidade de leitos críticos, sendo que em 36 dias neste período a unidade hospitalar teve todos os leitos de UTI ocupados, ou seja, operando com 100% de sua capacidade.

Os primeiros pacientes começaram a ser internados no dia 1º de maio. O primeiro paciente transferido para a UTI estava internado no Hospital Maternidade Almeida Castro. Também foi transferido um paciente do Município de Baraúna para a UTI. Os demais foram transferidos das Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) de Mossoró.

O HCSL iniciou esse processo de hospital de campanha com 20 leitos de UTI exclusivos para tratamento da Covid-19 e 20 leitos clínicos. Atualmente o São Luiz dispõe de 40 leitos de UTI e 25 leitos clínicos.

TAC

No último dia 27 de julho, a Prefeitura de Mossoró, por meio da Secretaria de Saúde, assinou um novo Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) junto ao Ministério Público que assegurava pagamento para funcionamento do Hospital São Luiz por mais três meses exclusivamente nos casos do novo coronavírus. O documento também foi enviado para assinatura do Governo do Estado, uma vez que são atendidos pacientes de outras cidades da região em Mossoró.

O custo total do Hospital São Luiz chega a R$ 3.059.467,12 por mês, sendo pago por Prefeitura de Mossoró e Governo do Estado de acordo com o novo TAC. A Prefeitura já está contribuindo para um novo credenciamento dos leitos de UTI covid-19 junto ao Ministério da Saúde para que o Governo Federal envie verbas referentes a esses leitos, ajudando no custeio do hospital.

Após essa habilitação dos leitos, os valores restantes para funcionamento do São Luiz serão pagos numa proporção de 30% Prefeitura de Mossoró e 70% Governo do Estado. Caso não haja habilitação o valor de R$ 3.059.467,12 será pago por PMM (30%) e Governo do RN (70%).

O primeiro TAC foi firmado no dia 16 de abril por um período de quatro meses entre Prefeitura de Mossoró, Governo do Estado, APAMIM, Ministérios Públicos e do Trabalho e Justiça Federal.

Jornal De Fato



Postar Comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem