BANNER 1



O presidente Jair Bolsonaro teve uma manhã agitada em Brasília, com visita a hospital, farmácia e ao filho aniversariante. Bolsonaro mais uma vez ignorou o isolamento social, cumprimentou apoiadores e provocou aglomerações. E também foi alvo de protestos, com panelaço e vaias, pelo segundo dia consecutivo.

Ao passar pelo Sudoeste, Bolsonaro ouviu mais manifestações e panelaços. Gritos de "fora miliciano" também foram ouvidos.



Ontem o presidente já havia provocado manifestações, favoráveis e contrárias a ele, ao parar em uma padaria na Asa Norte.

Hoje Bolsonaro despistou os jornalistas que o acompanham no Palácio da Alvorada e saiu sem passar pela portaria oficial. O comboio presidencial fez um trajeto alternativo até o Hospital das Forças Armadas (HFA). A ida ao HFA não constava da agenda oficial. O presidente estava acompanhado do ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva.

Em sua live no Facebook, na quinta-feira (9), Bolsonaro demonstrou sinais de coriza na região nasal e tossiu três vezes.

Depois de ir ao HFA, no Cruzeiro, Bolsonaro seguiu para o bairro vizinho do Sudoeste. Assim como ontem, causou aglomeração ao ir até uma farmácia. Questionado por jornalistas se continuaria a sair, ele respondeu que vai seguir com seu direito de ir e vir. E brincou que havia ido à farmácia para fazer um "teste de gravidez".

Em seguida, o presidente foi visitar o filho Jair Renan, que faz aniversário hoje. O presidente, que teve votação expressiva na região, foi recebido com vaias e panelaço por vizinhos do filho. Mas também foi chamado de "mito" e teve o nome gritado por seus apoiadores.

Congresso em Foco


Postar Comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem