BANNER 1


A espera chegou ao fim de forma épica. Na briga pelo título mundial de 2019, Ítalo Ferreira e Gabriel Medina foram ao limite. E, na decisão da etapa derradeira do circuito, foi o potiguar quem levou a melhor para entrar para a história. Em Pipeline, Ítalo bateu Medina na grande final para conquistar seu primeiro título mundial aos 25 anos. Ao levantar o troféu no Havaí, cravou seu nome no rol de campeões e barrou o rival no sonho do tricampeonato.

Ítalo entra para o seleto grupo dos campeões mundiais, que também já conta com o próprio Medina (2014 e 2018) e Adriano de Souza, o Mineirinho (2015). O potiguar foi eleito "o estreante do ano" na temporada de 2015 e por muito pouco não esteve na briga pelo título mundial daquela temporada - foi o sétimo ao final da disputa. Desde então, se manteve na elite e se firmou como um dos grandes nomes do surfe mundial.

- É o meu sonho, o sonho de toda a minha vida! Eu dediquei toda a minha vida para chegar neste momento. Meu tio e a minha avó morreram recentemente e eu dedico a eles. Eu não posso acreditar! - disse o potiguar.

A briga pelo título se estendeu ao limite. Depois de sete dias de espera por boas ondas, Ítalo e Medina enfileiraram os rivais até a final em Pipeline. Foi Ítalo Ferreira quem abriu a bateria decisiva - e da melhor forma possível. Com um belo tubo, o potiguar cravou 7.83 e jogou toda a pressão para o lado rival. E não quis esperar pela resposta: logo na sequência, emendou mais um tubo, fez 6.17 e deixou Medina em combinação. Em busca da reação, o bicampeão garantiu a primeira boa nota da mesma forma, com um tubo, marcando 7.77.

Medina melhorou seu somatório com um 5.17, insuficiente para tomar a frente. Mas Ítalo ampliou a diferença com um 7.73, obrigando que o rival conseguisse um 7.80 para conseguir a virada a pouco mais de cinco minutos do fim. Medina tentou, mas não conseguiu. O título já estava nas mãos de um novo campeão.

Globo Esporte


Postar Comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem